|Concert Reviews| - Joana Barra Vaz no Teatro Aveirense

Joana Barra Vaz

TEATRO AVEIRENSE, 21 DE SETEMBRO





Depois de um EP lançado em 2012, Joana Barra Vaz editou, no ano passado, Mergulho Em Loba, um álbum que lança o mar como base inspiracional para um punhado de boas músicas. Valeu-lhe mesmo a nossa consideração como 3º melhor álbum nacional do último ano. Foi este Mergulho Em Loba e, principalmente, as suas 3 suites que estiveram no centro das atenções. Logo na primeira é interpretada "A Demora", um dos singles deste disco, mas a reação do público ainda era morna, dado também ter sido tocada no início desta noite.

Joana Barra Vaz apresentou-se no Teatro Aveirense com uma banda composta por sólidos valores musicais que dão uma maior profundidade às versões de disco que conhecemos dos temas, trazendo-lhes maior amplitude entre momentos. Há uma inteligente ligação entre mergulhos, como uns verdadeiros mergulhos jazzísticos e harmoniosos. Nos momentos em que esta ligação não é feita, Joana Barra Vaz vai interagindo com o público. É nesses momentos que dá uma maior bagagem a este concerto. Revela que "Casa Canção", a primeira parte da Suite II do Mergulho Em Loba, lhe lembra de todas as pessoas que possibilitaram a sua carreira como música e compositora, já que procura definir "Joana Barra Vaz" como um projeto aberto a quem lhe rodeia e de quem estima. Confessou-nos ainda que "Vai", do seu primeiro EP, que assinou como "f l u m e" foi a impulsionadora da sua carreira. Contou-nos que enviou essa música aos familiares e amigos mais próximos, sendo que um destes seus amigos enviou a música para a Antena 3, sem a própria saber. Daí foi pouca a distância até ter sido selecionada para uma edição dos Novos Talentos Fnac.

Foi uma noite intimista, onde o diálogo foi figura central num conjunto de boas passagens musicais e que levou a que se escolhesse "Tanto Faz" para um momento de descontração final e de um pézinho de dança, um pouco ao jeito da mítica "Footloose".






Texto: Eduardo Antunes

Fotografia: Filipa Rodrigues (Edição: João Coutinho)

Sem comentários:

Com tecnologia do Blogger.