50 Best Albums of 2017


Concluímos a List Week of 2017 revelando a lista dos 50 melhores álbuns internacionais deste 2017. De facto, neste ano não houve um favorito claro ao primeiro lugar, o que trouxe uma dificuldade acrescida a este exercício. Foi também um ano onde tivemos pena de deixar um bom ponhado de discos de fora da lista. Alguns desses artistas que aqui não figuram e que queríamos deixar uma menção honrosa são: The National, Brockhampton, The War On Drugs, ANOHNI, Sun Kil Moon, Sylvan Esso, Kirin J Callinan, Mount Kimbie ou ainda Father John Misty. Para saber quem figurou nos 50 é apenas percorrer esta lista!

50. St. Vincent - Masseduction

A ouvir: "Pills", "Los Ageless", "New York".


49. Maggie Rogers - Now That The Light Is Fading

A ouvir: “Alaska”, “On + Off”, “Dog Years”.

 

48. SassyBlack - New Black Swing

A ouvir: "Passion Paradise", "What We Gonna Do", "Glitches".



47. Tops - Sugar At The Gate

A ouvir: "Further", "Petals".



46. LCD Soundsystem - American Dream

A ouvir: "oh baby", "tonite", "american dream".



45. Floating Points - Reflections-Mojave Desert

A ouvir: "Mojave Desert", "Kites", "Kelso Dunes".


44. Laurel Halo - Dust

A ouvir: "Sun To Solar", "Koinos".



43. Pond - The Weather

A ouvir: "30000 Megatons", "Sweep Me off My Feet", "Colder Than Ice", "Edge of the World Pt.2".


42. Sharon Jones & The Dap Kings - Soul Of A Woman

A ouvir: "Matter of Time", "Sail On!", "Call On God".


41. Sampha - Process

A ouvir: "Blood On Me", "(No One Knows Me) Like the Piano", "Under". 



TOP 40


40. Jay-Z - 4:44

A ouvir: "Kill Jay-Z", "Smile", "4:44".


39. Jlin - Black Origami

A ouvir: "Black Origami", "Enigma", "1%".


38. Gabriel Garzón-Montano - Jardin

A ouvir: "Fruitflies", "Bombo Fabrica".


37. Amber Coffman - City Of No Reply

A ouvir: "All To Myself", "No Coffee", "City Of No Reply".


36. Visible Cloaks - Reassemblage

A ouvir: "Valvo", "Terrazzo", "Neume".


35. Mac DeMarco - This Old Dog

A ouvir: "This Old Dog", "One Another", "On The Level".


34. Tinariwen - Elwan

A ouvir: "Tiwàyyen”, “Sastanàqqàm”, “Ténéré Tàqqàl”.


33. Foxygen - Hang

A ouvir: "Follow The Leader", "Avalon", "America".


32. Sóley - Endless Summer

A ouvir: "Uá", "Never Cry Moon", "Grow".


31. Grizzly Bear - Painted Ruins

A ouvir: "Mourning Sound", "Four Cypresses", "Three Rings".


TOP 30


30. John Maus - Screen Memories

A ouvir: "The Combine", "Teenage Witch", "Touchdown".


29. Shock Machine - Shock Machine

A ouvir: "Open Up The Sky", "Shock Machine", "First of May", "Something More".


28. Chico Buarque - Caravanas

A ouvir: "Tua Cantiga", "Massarandupió", "Dueto".


27. Fleet Foxes - Crack-Up

A ouvir: "Third of May / Ōdaigahara”, “If You Need To, Keep Time On Me”, “Fool’s Errand”.


26. Ibeyi - Ash

A ouvir: "Away Away", "Transmission/Michaelion", "Me Voy".


25. elijah who - gentle boy

A ouvir: "crush on you", "it's finally raining again", "i love being with you".


24. Kamasi Washington - Harmony of Difference

A ouvir: "Humility", "Knowledge", "Truth".


23. Kaitlyn Aurelia Smith - The Kid

A ouvir: "I Am A Thought", "An Intention", "A Kid".


22. King Gizzard & The Lizard Wizard - Flying Microtonal Banana

A ouvir: "Rattlesnake", "Sleep Drifter", "Nuclear Fusion".


21. Ian William Craig - Slow Vessels

A ouvir: "Arrive Arrive", "A Single Hope", "Purpose (Is No Country)".


TOP 20


20. Fever Ray - Plunge

A ouvir: "Wanna Sip", "Mustn't Hurry", "IDK About You", "To The Moon And Back".


19. Polo & Pan - Caravelle

A ouvir: "Aqualand", "Canopée", "Zoom Zoom", "Plage Isolée".


18. Ryuchi Sakamoto - Async

A ouvir: "andata", "solari", "fullmoon".


17. The Flaming Lips - Oczy Mlody

A ouvir: "Almost Home (Blisko Domu)", "The Castle", "Sunrise (Eyes Of The Young)".


16. Sevdaliza - Hubris

A ouvir: "Libertine", "Marilyn Monroe", "Bluecid", "Human".


15. Rina Sawayama - RINA

A ouvir: "10-20-40", "Tunnel Vision", "Alterlife", "Cyber Stockholm Syndrome".



14. Ariel Pink - Dedicated To Bobby Jameson

A ouvir: "Dedicated to Bobby Jameson", "Time To Live", "Another Weekend", "Do Yourself A Favor".



13. infinite bisous - w/ love

A ouvir: "Lost In Translation /1", "Teen Sex", "Life+You", "Lost In Translation /2".



12. SZA - Ctrl

A ouvir: "Love Galore", "Doves In The Wind", "Drew Barrymore", "The Weekend".



11. Kelela - Take Me Apart

A ouvir: "Frontline", "Waitin", "LMK", "Onanon".


TOP 10


10. Benjamin Clementine - I Tell A Fly

Foi com alguma desconfiança que escutei pela primeira vez este I Tell A Fly. Benjamin Clementine tinha apresentado, em 2015, o seu álbum de estreia, que tinha um punhado de singles bem compostos, mas que deixava um caminho muito inseguro caso o futuro passasse pela mesma fórmula. Felizmente, Benjamin transforma-se neste álbum, como um alienígena que cai na nossa sociedade e a vê rodeada de problemas e conflitos, procurando ser uma voz da razão.

A ouvir: 
"Farewell Sonata", "God Save The Jungle", "Phantom Of Aleppoville", "Quintessence".



9. Zola Jesus - Okovi

Surpreendentemente, Zola Jesus apresenta neste ano aquele que pode muito bem ter sido o melhor álbum de toda a sua discografia. É bom reparar que após o grande falhanço de Taiga, álbum editado em 2014 na qual enveredou pelo pop eletrónico, Zola Jesus soube voltar ao experimentalismo gótico que é muito seu. Chega a ser irónico que a melhor música eletro-pop de Zola Jesus não esteja no falhado Taiga, mas sim neste Okovi (falamos de "Remains").

A ouvir: 
"Exhumed", "Soak", "Remains".



8. Tyler, The Creator - Flower Boy

Flower Boy marca um aproximar de Tyler, The Creator à cultura alternativa mais mainstream, aparecendo nos radares musicais dos grandes pilares deste ramo da música. É um álbum de uma beleza extraordinária, que é tremendamente surpreendente numa figura que nunca fez (até aqui) da sensibilidade a sua arma.

A ouvir: 
"See You Again", "Who Dat Boy", "Boredom", "Glitter".



7. Björk - Utopia

Após um Vulnicura marcado pela tristeza dos desamores da própria vida de Bjork, a islandesa apresenta-nos aquele que definiu como o seu "álbum do tinder". Um esforço musical onde o seu amor para o mundo é a peça principal, e no qual a sua flauta e os sons da natureza controlados pelo venezuelano Arca são o pano de fundo.

A ouvir: 
"Arisen My Senses", "The Gate", "Blissing Me", "Tabula Rasa".




6. Thundercat - Drunk

O terceiro álbum de Thundercat eleva-o a um patamar quase supremo dos baixistas em ação nos últimos anos. Drunk é um álbum divertido, mas por vezes sombrio, com derivações luxuosas e aveludadas do instrumento que se une magicamente com o próprio Thundercat.

A ouvir: 
"Captain Stupido", "Bus In These Streets", "Show You The Way", "Friend Zone".




5. Mount Eerie - A Crow Looked At Me

A morte da mulher de Mount Eerie é a inspiração deste A Crow Looked At Me. Como se pode imaginar por aqui, este é o mais melancólico e triste álbum que ouvimos este ano. O que surpreende é a capacidade descritiva de Mount Eerie do presente e futuro imediato sem a sua mulher, a um nível de pormenor que não chega a passar pela cabeça da maior parte de nós quando pensamos na miserável perda de quem amamos.

A ouvir: 
"Real Death", "Seaweed", "Ravens", "Crow".





4. Sufjan Stevens, Nico Muhly, Bryce Dessner, James McAlister - Planetarium


Planetarium não tem sido aclamado pela crítica. Este facto talvez se explique pela dificuldade de compreensão deste álbum. Esta é uma epopeia musical de 76 minutos que retrata o nosso sistema solar (por vezes com a mitologia associada aos seus próprios nomes) e que a cruza com as experiências de vida de Sufjan Stevens. É, sem dúvida, difícil de ficar apanhado à primeira por este Planetarium, mas após algum esforço é percetível todo o trabalho e inteligência que estão por detrás destas composições.

A ouvir: "Jupiter", "Venus", "Mars", "Mercury".

3. Kendrick Lamar - DAMN.

Como já não podia deixar de ser, com este DAMN. Kendrick Lamar solidifica a sua posição de rei do hip-hop/rap. Após um To Pimp A Butterfly que marcou um aproximar do jazz ao mundo do hip-hop e se focou nos problemas raciais americanos, com DAMN. apodera-se de expressiva batidas às quais não deixa de juntar a sua inigualável capacidade de contar histórias, gerando um álbum que pode ser considerado uma obra-prima do rap.

A ouvir: 
"DNA.", "HUMBLE.", "LOVE.", "DUCKWORTH."




2. Perfume Genius - No Shape

Em 2014, com o lançamento de Too Bright, Perfume Genius apareceu em muitos radares devido ao seu poderoso single "Queen", mas seria difícil prever que com este No Shape iria atingir tantos aspetos que o podem rotular de mestre musical. As letras estão no seu melhor - na habilidade de retratar a liberdade e a espiritualidade -, os vocais tiveram também uma grande evolução e, principalmente, o trabalho de produção é, talvez, o melhor deste ano, tornando este álbum numa obra apoteótica. 

A ouvir: 
"Otherside", "Sleep Away", "Wreath", "Sides".




1. Arca - Arca

O venezuelano Arca tem-se revelado um verdadeiro hábil na arte de dominar os instrumentos sintetizados e cujo software é a sua base. O seu trabalho com artistas que quebram barreiras - FKA Twigs e Bjork, por exemplo - tornam-no também num verdadeiro porta-bandeira da música obscura e experimental de base eletrónica. Este álbum homónimo transcende ainda o seu já altíssimo nível, por dar provas que Arca também sabe dominar aquele que pode ser definido como o mais difícil dos instrumentos: a voz. O venezuelano domina a sua voz de um modo altamente surpreendente, usando-a por vezes como uma camada sonora na sua música, retirando-lhe e dando-lhe destaque conforme o que é mais proveitoso para cada faixa. Faz também uso da sua voz para retratar a morte, a opressão e a liberdade pessoal que, entende, ser necessária e que ambiciona. É por todas estas razões que este não podia deixar de ser o álbum deste ano!

A ouvir: 
"Piel", "Anoche", "Reverie", "Desafio".




Sem comentários:

Com tecnologia do Blogger.